A ciência confirma o que muitos já desconfiavam: a maconha pode provocar alterações no desempenho de diversas funções cerebrais, como atenção, concentração, memória, sentimentos, coordenação motora e capacidade intelectual.

Mas o bom é que o dano pode ser desfeito rapidamente: se a pessoa parar de fumar agora, vai perceber uma enorme melhora na memória dentro de um mês, revela um estudo.

A descoberta sugere que a droga, que agora é legal no Canadá e em vários estados americanos, realmente prejudica o cérebro.

O estudo, publicado no Journal of Clinical Psychiatry, é um dos primeiros a rastrear prospectivamente as mudanças nas funções cognitivas associadas à interrupção do uso de cannabis.

A pesquisa envolveu 88 adultos e adolescentes com idade entre 16 e 25 anos que fumavam maconha pelo menos uma vez por semana.

O compromisso deles para participar do estudo era reduzir o uso ou parar totalmente.

Dentro de uma semana, aqueles que não haviam fumado se saíram muito melhor em testes de memória e melhoraram ainda mais depois de um mês.

Os testes mentais apontaram que a memória - especificamente a capacidade de aprender e recordar novas informações - melhorou apenas entre aqueles que pararam de usar cannabis.

Isso ocorreu em grande parte durante a primeira semana.

Um mês de abstinência de maconha não foi associado a melhoras na atenção, e nenhum aspecto do funcionamento cognitivo melhorou entre aqueles que continuaram o uso da maconha.

Isso aumenta a evidência de que os químicos psicoativos da droga reduzem o QI dos jovens, danificando o cérebro.

O psicólogo clínico dr. Randi Schuster, principal autor do estudo, declarou: “A capacidade de aprender ou mapear novas informações, que é uma faceta crítica do sucesso na sala de aula, melhora muito quando o jovem para de fazer uso da cannabis”.

"Podemos dizer com segurança que essas descobertas sugerem fortemente que a abstinência de maconha ajuda os jovens

O dr. Schuster não tem dúvida da ação negativa da maconha na memória: “Nossas descobertas fornecem duas evidências convincentes. A primeira é que os adolescentes aprendem melhor quando não estão usando cannabis. A segunda é que pelo menos alguns dos deficits associados ao uso de maconha não são permanentes e, na verdade, melhoram muito rapidamente depois que o consumo acaba."

Para você entender melhor:  a maconha é feita a partir da planta de cannabis e contém mais de 400 produtos químicos diferentes, o que poderia ter uma série de efeitos sobre a mente e o corpo.

Inclui produtos químicos psicoativos que atuam no cérebro.

O elemento principal é uma substância química chamada tetrahidrocanabinol (THC).

Ele proporciona a sensação de relaxamento, mas também tem sido associado ao comprometimento da memória.

CURA PELA NATUREZA - LEIA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A ação da maconha é pior entre os adolescentes.

E há uma explicação: o cérebro de um adolescente muda em uma escala dramática - até o QI não parece ser estável.

Em termos de tamanho, o cérebro é praticamente definido aos sete anos de idade.

Mas, durante a adolescência, o cérebro retira impiedosamente as conexões entre as células cerebrais, as sinapses, da matéria cinzenta.

Por isso, durante esse período, quando a estrutura e a função do cérebro estão mudando, o órgão pode estar mais suscetível à cannabis do que um cérebro adulto, que é relativamente estável.

Os principais efeitos colaterais do uso crônico da maconha incluem:

- Dificuldades de aprendizado e memória

- Apatia

- Perda da motivação e da produtividade

- Dor de cabeça

- Irritabilidade

- diminuição da coordenação motora

- Alteração da capacidade visual

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Seção: 

TV Cura pela Natureza - assista agora




Imagens vistas recentemente

Entre em contato

Queremos receber sua opinião

Se você tem uma crítica, sugestão ou quer nos indicar uma receita/tratamento caseiro, entre em contato conosco

curapelanaturezablog@gmail.com

Continue conectado

Esclarecimento

Este blog tem a finalidade de ajudar, mas não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.